5 coisas que você precisa saber sobre amamentação

amamen

7 em cada 10 mulheres tem dificuldade em amamentar e, a maioria delas não apresenta uma condição física impeditiva, mas sim barreiras psicológicas, inseguranças que levam à introdução de mamadeiras e fórmulas e, consequentemente, ao desmame precoce. A falta de apoio familiar é um dos fatores que somados à insegurança da mãe fazem com que apenas 39% das mães brasileiras amamentem exclusivamente até o 6º mês de vida do bebê.

Diante disto, elaboramos 5 Coisas que você precisa saber para tornar a amamentação mais fácil

 

1) Peito não é só fonte de comida

Achar que o bebê só mama para se alimentar é um erro comum. Bebês mamam por todo motivo possível e imaginável, principalmente nos três primeiros meses de vida. A sucção não nutritiva é uma necessidade do bebê e, por causa disso, muitas mães acabam cedendo ao uso da chupeta, já que ao sugar, o bebê se acalma. Peito é carinho, é colo, é aconchego … é fonte de nutrição psicológica e alimentar também. Se você entender isso, não vai se desesperar com o bebê que fica grudado no peito o dia inteiro e não vai achar que seu peito não está sustando. “Fazer o peito de chupeta” não só é bom para o bebê como faz a produção de leite aumentar. Vale lembrar que bebês não conhecem chupeta, logo eles não fazem o peito de chupeta, a chupeta é que tenta imitar o peito.

2)  Não existe leite fraco

Pode acontecer do seu filho não engordar direito, mas isso não quer dizer que seu leite é fraco. A probabilidade maior é de que a pega do bebê esteja errada e ele esteja se esforçando muito mamando somente o mamilo, o que faz com que a parte posterior do leite não seja sugada. Ainda há chances do peito estar sendo ofertado de forma incorreta. Mamadas programadas ou limitadas (o famoso 20 minutos de cada lado) interrompem a sucção do leite fazendo com o que o bebê não sugue a parte mais gordurosa do leite que vem ao final da mamada. O mesmo acontece quando o bebê dorme, larga o peito precocemente e não é oferecida a mesma mama quando ele for mamar de novo.
E, se tudo estiver sendo feito corretamente com relação a forma de mamar, o baixo ganho de peso pode estar relacionado à alergia alimentar, provavelmente a alergia a proteína do leite de vaca e merece cuidados especiais.
Estudos mostram que a composição do leite de uma mulher que come só fast food e uma que se alimenta bem são pouca coisa diferentes entre si, não havendo diferença nutricional. Assim sendo, não há o que se falar em leite fraco.

3) Bebês não dormem a noite toda e não é por fome

Aliado ao que foi dito no item 2, é preciso entender que bebês de até 3 meses de idade não dormem uma noite inteira.  Se eles choram, se esperneiam e querem peito pode ser por qualquer motivo, inclusive fome e isso é normal! Leite não é uma refeição como um almoço. Não é para sustentar horas sem se alimentar. O bebê, principalmente os mais novos, irão acordar na madrugada para mamar e isso é completamente normal. A Exterogestação ocorre até o terceiro mês e a insegurança do bebê, os seus medos e anseios o farão querer mamar mais vezes. – “Mas eu dei uma mamadeira de fórmula pro meu bebê a noite e ele dormiu a noite inteira. Era fome!” Não, não era fome! O bebê dorme a noite inteira após tomar fórmula, pois a fórmula é igual uma feijoada. Ela pesa, é de difícil digestão, gordurosa e, automaticamente, vai “dopar” seu bebê. Acredite, é uma fase e vai passar. Com o tempo, o bebê demandará menos de você e tudo será mais fácil e prazeroso. Leia sobre isso no nosso post sobre puerpério.

4) Peito murcho não é sinal de peito vazio

A gente bem que queria ter um medidor de ml nos seios para saber quanto o bebê mamou, mas é preciso lembrar que peito é fábrica e não estoque. 80% do leite é produzido durante a mamada e não no resto do dia. Não pense que aquilo que está em “estoque” no peito cheio é o que o bebê mama, ele mama aquilo e mais! E, se não tiver leite “estocado”, ele será produzido e o bebê mamará normalmente. Nos primeiros meses de vida do bebê, a mãe produz muito mais leite do que o necessário e aí se acostuma com o peito sempre cheio e vazando… este cenário não será assim para sempre. Após esses meses, a produção se adequa à demanda e, por isso, vai parecer que o peito está vazio, mas ele não está! 

5) Chupeta atrapalha a amamentação – existe confusão de bicos

O uso de bicos artificiais (chupeta, bico de silicone e mamadeiras) podem causar a confusão de bicos no bebê. Basicamente, o bebê nasce com um instinto de mamada que consiste na projeção da língua e movimentos de sucção próprios para o seio materno. Ao usar chupetas e bicos (principalmente os ortodônticos) o movimento de sucção do bebê é distinto do movimento feito junto ao seio, fazendo com que o bebê se confunda da forma de mamar. Com o uso de bicos artificiais, o bebê desaprende como se mama no seio materno e pode começar a apresentar sintomas de irritação, choro constante e ânsia de vômito ao entrar em contato com o bico do seio da mãe, levando ao desmame precoce. Ou seja, ao usarmos esses artifícios, o bebê pode confundir a forma de mamar, dando preferência aos bicos artificiais. Leia mais sobre isso no artigo do Grupo Virtual de Amamentação, clicando aqui.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.